Walkers RPG BR

Roteiro da batalha

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Roteiro da batalha

Mensagem por Abramov Levitz em Qui Set 14, 2017 10:57 pm

Post 1 - Recrutar e chegar no monstro (Estão livres para descrever o processo, explorando NPCs que irão junto do grupo; Ao total mais 10 NPCs além dos quatro estarão presentes; Se atentar à descrição dos outros jogadores que vieram antes, para não haver conflito de descrição).

Post 2 - Abramov recebe seu tapa (45% do primeiro dado dele) ao tentar salvar Chloe das mãos (80% do primeiro dado dela); Vince tenta dar dano no bicho com suas flechas, mas nota que é em vão. É nesse momento que o filho de Apolo percebe que sempre onde suas flechas atingiam, a carne do bicho se fechava regenerando e alerta o grupo disso. Asher pega o machado para tentar ajudar Chloe.

Post 3 - Vince se junta aos três para cuidar da Chloe, mas os quatro são surpreendidos pelos espinhos de sangue do monstro; Vince é atingido pelos espinhos para proteger a Chloe, mas logo se recupera ou então não seria capaz de curar a garota. Ab também é atingido tentando proteger o pessoal, e Asher desvia mas tropeça nisso (5% do primeiro dado); Ab reorganiza o plano de maneira rápida e o grupo já dá inicio a ele; Asher parte em busca de gasolina para o fogo; Vince volta para os ataques de longe para tentar distrair a criatura, enquanto que Ab e Chloe voltam a atacar normalmente. Nessa parte, o monstro usa seus espinhos de sangue novamente para atingir Ab e Chloe, mas eles desviam de alguma forma; Vince, por sua vez, se vê sendo perseguido pelas mãos, e só não é pego porque desvia e é atingido de raspão (45% do primeiro dado).

Post 4 - Asher continua em sua empreitada em busca da gasolina, e ao fim consegue retornar com o combustível (ele pode encontrar algum Peão no meio do caminho, lutar e tropeçar para tomar os 5% do segundo dado; Nesse meio tempo, Endht vai inundar o campo de batalha com sangue, e os três vão ter que se virar pra não morrerem afogados. Ab ajuda Chloe voando com ela, mas por pouco não é arrastado pela força do líquido. Vince se abriga em algum lugar, e também escapa. Sem o líquido, o bicho voa para tentar pegar os semideuses e cria uma confusão imensa no cenário; Em algum momento ele usa as mãos novamente. Na primeira tentativa ele tenta pegar Ab, mas só consegue empurrar ele para longe (50% do segundo dado dele). Ao msm tempo, seu outro braço tenta pegar Vince com as mãos (ele é atingido de raspão msm sendo salvo - como verá adiante e perde os 45% do segundo dado) mas Chloe se mete no meio (por qualquer motivo) e é pega no lugar (segundo 80% dela). Nessa hora, Asher retorna e a salva novamente, já tacando a gasolina para o golpe final.

Post 5 - Asher consegue tacar gasolina, desviando dos espinhos, e Vince - que já estava previamente preparado - espera o sinal do filho de Hefesto para lançar sua flecha; O fogo começa, e Abramov o espalha controladamente com os ventos, enquanto os filhos de Hefesto manipulam diretamente o fogo para ele subir; O bicho, em chamas, tenta pegar Asher (que estava mais próximo) mas dessa vez é Chloe quem o salva (se vira, se não der a gente muda na última hora); E termina com um raio do Ab; Vince termina curando/dando os primeiros socorros e a camera sobe encerrando o episódio.

Abramov Levitz
Sobreviventes
Sobreviventes

Mensagens : 2
Data de inscrição : 14/09/2017

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Roteiro da batalha

Mensagem por Abramov Levitz em Sex Set 15, 2017 1:18 pm

Comentários:
Por favor, avisem se encontrarem erros na escrita. Fiz menção dos dois filhos de Hefesto em uma parte, atentem-se a isso. De resto, se repararem em algum erro/fuga de roteiro, só me avisar para editar.




Batalha em grupo
Do or Die
Abramov ouviu o estrondo antes mesmo de se virar para ver do que se tratava. Suas mãos foram levadas à frente de seus olhos, de maneira a lhes proteger da cortina de fumaça que cobriu a enfermaria. Levantou-se rapidamente da maca onde estava sentado, apenas para tentar socorrer uma campista que estava debilitada em uma cadeira de rodas.

— Calma, foi só a fumaça — comentou com a menina, envolvendo-a em seus braços de maneira protetora.

Quando o fumo, que nada mais era que concreto destruído, acabou, os campistas entenderam o que havia acontecido. Uma criatura gigantesca se agitou ao longe, enquanto se movia em direção à Times Square, e provavelmente destruiu algum prédio nisso. Muitos segundos de silêncio se seguiram, até que o primeiro semideus gritou em pânico, e foi ai que o caos tomou conta da enfermaria. Muitos não sabiam o que fazer, mesmo estando longe da ameaça, então começaram a se agitar correndo de um lado para o outro. Ab mordeu o lado esquerdo do inteiro da bochecha por conta do nervosismo, ainda abaixado e segurando a semideusa. Ela o apertou com força, assustada, e seu olhar de temor lhe despertou para a gravidade da situação.

— Se acalmem — tentou dizer, mas sua voz não foi impactante o suficiente para alcançar as almas perdidas que vagavam pelo local.

Frustrado - mas ainda mais determinado do que antes - , ele se ergueu alguns metros acima do chão, e gritou.

— Chega! — enfim conseguiu a atenção de todos ali presentes. — Não sabemos o que é aquela coisa, mas entrar em pânico não vai resolver nada.

Murmúrios foram ouvidos, mas ninguém se pronunciou. A verdade era que os gregos estavam perdidos, a maioria dos ali presentes era composta por enfermos, portanto os combatentes de fato estavam fora em batalha. O líder de chalé sentiu o pesar dos olhares apreensivos sobre ele, ansiosos por um plano. Como se fossem mosquitos em busca de uma luz para se guiar.

— Precisamos que alguém use o portal para pedir mais reforços — se pronunciou, não mais temendo assumir aquela responsabilidade.

Assim que deu a primeira ordem, uma menina, que não parecia ter mais do que doze anos, deu um passo à frente se prontificando para o serviço.

— Certo, diga ao Quíron o que acabou de acontecer, ele deve saber que coisa é aquela — tinham poucas informações a respeito da criatura nova, mas imaginou que o centauro poderia saber mesmo assim. Ou pelo menos lhes ajudar de alguma forma. — Mas, o principal, preciso de um grupo comigo para ir até lá.

Novamente um silêncio caiu sobre a enfermaria, contudo, quando o primeiro voluntário ergueu o braço, a esperança voltou, e junto dela a barulheira. De um a um, os campistas que estavam em condições de lutar se apresentaram, até que uma equipe com cerca de quatorze integrantes, contando com Abramov, se formou. Ele não conhecia nenhum daqueles outros indivíduos, mas pôde sentir a determinação de cada um. Semideuses dos mais variados tipos e tamanhos se agruparam em frente à rua principal, onde terminaram de se preparar antes da batalha. Somente quando a menina correu em direção ao portal, para pedir reforços, foi que Ab deu início à marcha.

— A gente é tipo um esquadrão suicida, né? — Chris, um filho de Dionísio, comentou, notavelmente inquieto. Ele parecia ser velho, mas era o menor da trupe. Sua jaqueta militar rasgada contrastava de maneira peculiar com a calça jeans roxa. A cabeça raspada brilhava com o sol da tarde, e, mesmo com essa descrição estranha, o que mais chamava atenção era sua boca. Melhor dizendo, seus dentes. Os dois incisivos centrais de cima eram muito maiores que os outros, ficando sempre para fora, o que lhe dava uma aparência engraçada.

— Cala a boca, Ratata — Carla, uma filha de Ares, empurrou o menino dos dentes proeminentes, quando ele se aproximou dela.

A cena foi tão cômica que quase todos que caminhavam junto da dupla riram. Contudo, como de praxe na vida de um semideus, o momento de descontração não durou muito tempo. Duas quadras ainda os separavam da Times Square, mas uma mini horda de monstros surgiu de dentro dos edifícios residenciais próximos, atrapalhando a empreitada do grupo. Uma dupla de filhos de Hefesto, que caminhava mais atrás de todos, foi surpreendida por um trio de harpias. Enquanto que o restante do time se dividiu entre as criaturas que sobraram, tendo que, literalmente, lutar por suas vidas.

Uma pequena guerra foi travada naquele ponto, e, com certa dificuldade por estarem em menor número, os gregos saíram como vitoriosos. Abramov terminou raspando sangue seco de seu escudo, antes de se reagrupar com os outros. "Eu deveria tirar um dia para conhecer eles melhor", pensou, contente pela companhia dos campistas. Os poucos minutos juntos já tinham sido suficientes para se acostumar com as brincadeiras de Christian, ou com o mau humor de Carla. Claro, sem contar as histórias das lutas que os outros contavam. Era incrível como todos tinham vivido aventuras extraordinárias desde que aquele evento começou. E, de alguma forma, lá estavam eles, vivos e juntos numa missão ainda pior que as outras.

Mas, por ironia do destino, o status 'vivos' não durou mais que alguns segundos após aquele pensamento.

Quando se aproximaram da grande praça composta por vários cruzamentos e esquinas, carinhosamente apelidada de Times Square, o grupo enfim se deparou com a verdadeira ameaça. O monstro se virou para a equipe de semideus, revelando sua aparência ao lhes encarar diretamente. Os olhos do ex ceifador percorreram toda a extensão da monstruosidade, que provavelmente passava dos vinte metros, até pousar em sua cabeça. Ou melhor, em suas cabeças. Dois crânios pareciam sair do mesmo pescoço, puxando o que deveria ser a pele para cada lado, numa disputa horrenda para decidir qual das duas seria a principal. Além disso, seu corpo era estranho e feio, como se tivessem empilhado gelatina e dejetos em uma forma. "Um boneco de neve de lixo", mentalizou, abismado com a coisa.

— O... o... o que é aquilo? — um menino aleatório perguntou, ao deixar a espada que carregava cair de tanto que tremia.

O som do metal se chocando contra o concreto atiçou o bicho, que enfim deu início à chacina.

Sangue começou a sair de esporos no corpo gelatinoso do monstro, solidificando-se em espinhos que foram preenchendo todo o cenário em questão de seguintes. Os espinhos eram do tamanho de estalactites gigantes, e perfuraram tudo que se interpôs em seu caminho - e isso incluía as pessoas. Abramov pôde ver o momento em que Carla foi empalada por um deles, sem poder fazer nada para lhe ajudar. O grito de Chris lhe tirou do transe, no que viu uma menina cair enquanto fugia do ataque. O líder do grupo rapidamente correu em seu auxílio, mas foi tarde demais para a pobre coitada.

— Por favor, me ajude — ela disse, segundos antes ter o tronco perfurado por um dos espinhos.

O filho de Zeus engoliu seco, psicologicamente abalado pelo massacre. Tentou inúmeras vezes socorrer seus aliados, mas gastou muito tempo tentando se manter vivo e, no fim, quase nada pôde fazer. Sua mão direita segurou a lança de ouro imperial, tremendo de leve, apenas para girá-la em sua palma com os dedos. "Faz alguma coisa", ordenou a si mesmo, mas seu corpo não respondeu. Um grito abafado escapou por entre seus lábios, ao perceber que a criatura pretendia dar cabo dele também.

E só não caiu morto porque literalmente voou para longe.

No ar, enxergou uma semideusa agachada atrás de um táxi capotado, e, sem perder tempo, voou até ela. Saber que mais alguém estava vivo lhe deu ânimo para continuar, afinal, em todas as direções em que olhou, tudo que encontrou foi gente morta. Só que, quando se aproximou da garota, notou que mais dois campistas também estavam de pé.

— Não podemos fugir — disparou, antes que qualquer um dos três ousasse sugerir aquilo.

Naquela hora, não se importou se morreriam ou em algo do tipo, tudo que pensou foi nas mortes de seus colegas. Mesmo no fundo sabendo que não era sua culpa, não foi capaz de evitar o peso na consciência. Sentiu-se culpado por não ter salvado quase ninguém - tecnicamente não salvou ninguém, já que o trio que sobrou sobreviveu à sua maneira -, e aquilo atrapalhou seu discernimento na hora. Dessa forma, quase foi atingido por outro ataque do bicho, salvo por seu escudo que foi erguido em sua defesa.

— Se recuarmos agora estaremos apenas jogando fora seu sacrifício — comentou com o restante da equipe, enquanto evitava ser pego pelos espinhos de sangue. Podia tentar lhes inspirar com discursos típicos de início de guerra, mas, naquela situação, quanto mais rápido agissem, melhor seria. Portanto, limitou-se a dar as ordens de maneira objetiva e simples.

— Vince, mantenha distância. Chloe, Asher, comigo, temos que dar um jeito de derrubar essa coisa. Formação alfa, semideuses... e por favor, não morram — disse, antes de ascender aos céus novamente.

Seu escudo foi laçado contra o que parecia ser as pernas do monstro, apenas para constatar que demorariam éons naquele processo. "Como vamos destruir essa coisa se nem sabemos o que ela é", ponderou. Chegou a tentar voar até suas faces para lhe espetar com a lança, mas foi impedido por uma das incontáveis mãos de seu inimigo. A palma de uma das tais mãos bateu em Ab e o jogou em direção à um dos prédios da área.

— Argh — vociferou, em protesto.

Quando se virou, viu que a tela na qual se chocou havia congelado numa imagem estranha. Era um comercial da Coca-Cola, entretanto, pelo dano, parecia mais que a menina estava enfiando a garrafa no olho. E, apesar de desejar admirar por mais tempo aquela inusitada obra de arte tecnológica, acabou tendo de se jogar, em pleno ar, para o lado. Isto porque seu adversário tentou lhe pegar novamente com as mãos, não lhe dando tempo para respirar. Arriscou um ataque com a lança, mas desistiu no instante em que percebeu que ficaria preso aos múltiplos membros que se esticavam e contraíam numa velocidade impressionante.

"Eles parecem saber o que estão fazendo", considerou, quando olhou de relance para o que seus aliados faziam. Só que ai Chloe se atrapalhou com um dos espinhos, e quase foi atingida. "Ou talvez nem tanto", concluiu.

Habilidades Passivas - Filho de Zeus:
Nome do poder: Respeito
Descrição: Por onde quer que vá o filho de Zeus/Júpiter será respeitado, seu pai é o senhor do Olimpo, o que o torna quase um príncipe na terra. Isso faz com que de certa forma o semideus empunha respeito, podendo chegar a ser temido pelos demais campistas, ou invejado. Entretanto tal poder dificilmente irá funcionar com individuos de nível elevado ou força mental forte.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Pode fazer um inimigo hesitar durante o primeiro turno, evitando atacar diretamente.
Dano: Nenhum.

Nome do poder: Lider II
Descrição: Zeus/Júpiter é o rei dos deuses, e sua capacidade de liderar inspira confiança, assim como seu pai, o seu herói inspira essa aura que fazem as pessoas quererem te seguir, lutar por você. O que também gera uma grande capacidade de manipular as coisas ao seu favor, inspirando as pessoas a te seguirem, lutarem por você, e com você.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: Pode inspirar um exercito com palavras.
Dano: Nenhum.

Nome do poder: Movimentação Aérea II
Descrição: Estando em pleno ar o semideus possui uma movimentação superior a outros semideuses, sendo melhor no ar do que em terra. Como se fosse um pássaro.
Gasto de Mp: Nenhum.
Gasto de Hp: Nenhum.
Bônus: +35% de força e velocidade quando o semideus lutar enquanto flutua.
Dano: +30% de dano quando o inimigo for atingido pelos poderes ativos do semideus.

Habilidades Ativas - Filho de Zeus:
Nome do poder: Voo IV
Descrição: O semideus concentra uma grande parte de sua energia e consegue içar a mais metros do chão. Ao redor de seu corpo, correntes de ar o mantem estável e equilibrado, ele também consegue ficar mais rápido, desde que se concentra mais ainda tem dificuldade em batalha, e se for acertado, pode acabar perdendo parte do equilíbrio e despencando alguns metros. É bom se manter atento.
Gasto de Mp: 20 por turno ativo.
Gasto de Hp: Nenhum
Bônus: Nenhum
Dano: Nenhum
Extra: Já pode se erguer até 10 metros acima do solo.

Armas Utilizadas:
• Escudo de Ouro Imperial [Apelidado de Aegis o Terceiro, é uma réplica de mesmas dimensões do escudo de Zeus, assim como o que Thalia Grace possuía na série. O rosto de Medusa é seu ornamento principal, tornando o item assustador para monstros e até semideuses que o encaram. Diferente dos escudos normais, ele pode ser lançado e cortar seus inimigos, graças à uma fina camada de ar que o circula, tornando suas extremidades afiadas. Pelo lado interno, foram desenhados e inscritas runas e talismãs que conferem ao item qualidades mágicas | Efeito 1: a arma é revestida por uma fina corrente de ar, tão fina que acaba permitindo um corte mais afiado, provocando 40% (+20% pela runa de ar) a mais de dano e dobra as chances de causar danos a materiais de resistência superior; Efeito 2 (mecânico): a arma sempre irá retornar para o dono, aparecendo ao seu lado; Efeito 3: Também conhecido como efeito bumerangue, Abramov poderá lançar o escudo em direção a algo sólido que irá rebater em um determinado ângulo seguindo uma linha reta atingindo um segundo alvo, depois o escudo retornará para seu braço independente do resultado ou para onde foi rebatido | Ouro Imperial | Gema 1: Rubi Imperial –  Adiciona 40 de dano à arma. Gema 2: Tanzanita Imperial - Adiciona 35% de roubo de vida. (Todo dano causado volta para a vida do usuário. Caso o golpe com a arma causa 100 de dano, 15 viram HP para o semideus atacante.) | Resistência: Beta | Status: 100%, sem danos | Épico | Ganhado no evento Quando o Passado Revive]

Twice Kill [É uma arma que possui duas formas, feita de ouro imperial. Sua primeira forma é a de uma espada com uma lâmina de 70 cm, podendo ser usada tanto com uma ou duas mãos. Em sua segunda forma, é uma lança com o mesmo material, ouro imperial. Seu peso se ajusta perfeitamente a quem a está empunhando. | Efeito 1: A arma pode transformar-se em uma espada ou uma lança | Beta | Espaço para uma gema | 100% sem danos | Mágico | Comprada na Pandevie Magie]

Abramov Levitz
Sobreviventes
Sobreviventes

Mensagens : 2
Data de inscrição : 14/09/2017

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum